Oi. Eu sou Marie Veja meu perfil

Minha história

Nasci em uma família católica e amava Jesus desde pequena, mas fiquei desiludida com a igreja quando cheguei à adolescência e logo me declarei uma anarquista. Tornei-me artista e entrei para a turma hippie. Viajei para a Índia em busca da verdade e do verdadeiro amor. Perdi a vontade de viver quando meu namorado me deixou, mas Jesus salvou a minha vida. Mais tarde vim a conhecê-lO pessoalmente e Lhe permiti mudar minha vida.

Por que Sou Membro de A Família Internacional

Enquanto viajava pela Índia no final dos anos 70, em busca da verdade, conheci John (um guitarista/cantor galês incrível), que me levou a ter uma experiência espiritual pessoal com Jesus, apesar de ter me declarado ateia. Eu basicamente tentei a “aposta” de Blaise Pascal (também conhecida como “le pari de Pascal”)… e funcionou! Jesus encheu meu coração com o perfeito amor, liberdade, paz e alegria que procurava. Uma semana depois, senti-me guiada a renunciar à minha vida e seguir a Deus e entrar para a Família. Por mais imperfeita que a Família possa ser eu nunca me arrependi dessa decisão.

Como Pratico a Minha Fé

Tento seguir os passos de Jesus demonstrando o Seu amor pelas pessoas ao meu redor, e falando dEle a quem quiser ouvir. Minha maior alegria, além de guiar alguém a Jesus e tomar tempo com Ele, tem sido ensinar a Sua Palavra a outros e ajudar alguém a crescer em fé.

Linha do tempo pessoal

Abril 1955
Nascida em Paris, França
Setembro 1977–abril 1978
Trabalhei com designer de interiores em Paris
Julho 1978
Fiquei salva na Índia; entrei para a FI
Setembro 1979
Conheci meu futuro marido em Islamabad
Janeiro 1980
Casei-me com Dom na França
Novembro 1980
Trabalho missionário no Peru, onde nossa primeira filha nasceu
Abril 1981–1983
Trabalho missionário no Chile e na Argentina
Janeiro 1983
Voltei para a França por causa da guerra na Argentina. Nasce nosso filho Peter
Janeiro 1985
Ministério de correspondência para o subcontinente da Índia, supervisão de centros no sul da Índia
Agosto 1989–dezembro 1990
Ajudei no Paris Music Center e Centro Para Jovens
Dezembro 1990
Dei aulas para adolescentes em uma base missionária na fronteira da Áustria onde nossa segunda filha, Natalie Anne, nasceu
Abril 1992–outubro 1993
Budapeste, Hungria
Outubro 1993–dezembro 1994
Suíça e Bélgica
Dezembro 1994
Centro de Ajuda Humanitária de Novosibirsk
Janeiro 1995–outubro 1997
Almaty, Kazakhstan (fazendo trabalho de caridade em orfanatos, hospitais, centros para jovens, e distribuição do Evangelho por todo o país)
Outubro 1997–novembro 2001
Sul da Índia (trabalho com órfãos, ministério para os surdos, ensino em casa, acampamentos de verão para crianças)
Novembro 2001
Madagascar (ensino em casa e programas missionários para jovens)
Abril 2002–maio 2008
África do Sul (ensino em casa; gerente de projeto do Project Hope, trabalho com pacientes soropositivos; coordenadora do curso CVA; aulas bíblicas para refugiados congoleses)
Maio 2008 à data
Kinshasa, Congo, ajuda a orfanato e crianças e jovens carentes; treinamento de jovens missionários nacionais usando o curso bíblico As 12 Pedras do Alicerce. Coach de equipes missionárias no Leste e Oeste da África
Novembro 2011
Nossa filha Natalie Anne partiu para sua recompensa celestial

Experiência missionária

Cuidado e Educação Infantil
Cuidar de crianças e dar aulas no sistema de homeschooling logo se tornou o meu ministério principal onde quer que eu fosse. Lecionei para praticamente todas as séries, de fundamental I a Ensino Médio, e adorei. Tive alguns filhos, e muitas vezes acabava sendo mãe adotiva de muitas crianças, que me deram muito amor e alegria.
Testificação Pessoal
Apesar de eu gostar de dar aulas bíblicas para grupos, compartilhar a fé a nível pessoal sempre foi o que mais gostei de fazer. Tendo vivido em países nos quais evangelização não era permitida, sempre foi uma grande emoção quando alguém com quem tínhamos contato demonstrava interesse e desejo de saber mais sobre Jesus e a fé cristã.
Auxílio Humanitário/Trabalho Voluntário
Como Jesus disse, “A fé sem obras é morta,” e outros disseram, “Se você não der às pessoas o que precisam no físico, como espera que ouçam o seu sermão?” Eu sempre estive envolvida em cuidar dos pobres e destituídos de uma maneira ou de outra, muitas vezes em orfanatos, prisões, hospitais, etc., distribuindo auxílio humanitário ou simplesmente partilhando a nossa abundância com os menos afortunados.
Outros
Em 2010, meu marido e eu começamos nossa própria associação, chamada “Espoir Congo.” Este trabalho nos permite alcançar muitas pessoas e permanecer neste campo incrivelmente frutífero.

Membros

Conhecer outros…